Domingo, 16 de Junho de 2024 07:13
77981182798
Mortes Morte

Brasília: Morte de idosa e possível desaparecimento de rim é tido como vilipêndio de corpo

Emídia foi internada no HRT no final de março, apresentando sintomas como enjoo, tontura e dores abdominais e nas costas.

02/06/2024 20h40 Atualizada há 2 semanas
Por: F. Silva Fonte: Da Redação do 40 Graus
Brasília: Morte de idosa e possível desaparecimento de rim é tido como vilipêndio de corpo

A morte de Emídia Nunes Chavante Oliveira, de 74 anos, no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), no Distrito Federal, levanta sérias questões sobre a qualidade do atendimento médico, possíveis negligências e a suspeita de vilipêndio do corpo. Emídia foi internada no HRT no final de março, apresentando sintomas como enjoo, tontura e dores abdominais e nas costas. A demora em sua admissão e tratamento adequado possivelmente contribuiu para a piora de seu quadro clínico, resultando em sua morte em 31 de março.

A família de Emídia denunciou o hospital por negligência, apontando que ela foi admitida tardiamente, três dias após procurar atendimento. Durante a internação, exames de imagem mostraram que ela tinha os dois rins e uma acumulação de líquido no abdome e na pelve. Entretanto, ao falecer, a autópsia revelou a ausência de um rim, o que causou grande consternação e suspeitas entre os familiares.

A causa da morte, segundo o hospital, foi uma infecção urinária. No entanto, a certidão de óbito indicou "peritonite aguda fibrino purulenta devido a diverticulite perfurada de colo sigmóide", exacerbada por condições pré-existentes como hipertensão arterial e diabetes. Esta discrepância levantou dúvidas sobre a precisão do diagnóstico e o tratamento oferecido.

Os parentes também relataram resistência do hospital em permitir a autópsia, inicialmente alegando que Emídia poderia ter morrido de Covid-19, o que impediria o procedimento. Mesmo após a confirmação negativa para o vírus, a autópsia só foi realizada dois dias após a morte, onde se descobriu a ausência do rim esquerdo, contradizendo os exames anteriores que mostravam os órgãos intactos.

Além disso, o prontuário de Emídia foi alterado dias após sua morte, incluindo uma movimentação suspeita na Central Estadual de Transplante referente às córneas dela, sem a autorização da família, violando as normas legais sobre doação de órgãos.

A Secretaria de Saúde do Distrito Federal sugeriu que o desaparecimento do rim poderia ser devido a uma atrofia causada por um processo infeccioso, comum em pacientes diabéticos com infecção urinária. Eles afirmaram que não houve sinais de extração cirúrgica. No entanto, a falta de uma explicação satisfatória mantém a suspeita de vilipêndio do corpo e negligência médica.

A Polícia Civil está investigando o caso para apurar todas as circunstâncias que levaram à morte de Emídia e o desaparecimento de seu rim, buscando justiça para a família e prevenindo que situações similares ocorram com outros pacientes.

Da Redação do 40 Graus.

Nenhum comentário
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.