Categories: Agronegócio

Maior oferta e menos consumo impactam nos preços das hortaliças

Enquanto o avanço da colheita resulta numa maior quantidade de produto nas Centrais de Abastecimento (Ceasas) analisadas, as medidas restritivas visando o combate ao coronavírus afetam a demanda. Em abril, o cenário segue ainda incerto, como aponta o 4ª Boletim Prohort, pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). 

A maior queda foi verificada nos preços de comercialização da batata. Para o tubérculo as cotações caíram dois dígitos em todas as Ceasas pesquisadas. 

O Rio De Janeiro foi o estado que registrou o barateamento mais intenso, chegando a um percentual negativo de 39,47%. Com o pico da safra das águas registrado entre fevereiro e março, essa redução era esperada. Já para este mês a tendência é que ocorra pressão de alta nos preços. No entanto, fatores que aliviam este movimento ainda estarão presentes nos mercados, em especial as medidas para conter o avanço do coronavírus, que levam à retração da demanda, bem como a incerteza do produtor quanto ao que vai ser direcionado ao mercado, pela imprevisibilidade do comportamento dos comerciantes e consumidores. 

O mesmo ocorre com a cenoura. O entreposto de Goiás registrou queda significativa nos preços da raiz, sendo que nesse atacado ficou 24,84% mais barata. Mesmo que já seja possível observar uma reversão da tendência de declínio dos preços da cenoura, o aumento registrado no início de abril ainda é pequeno, tanto pela demanda continuar retraída quanto pela qualidade do produto ofertada nos mercados. 

Cebola e tomate também registram comportamento semelhante. No caso do bulbo, a oferta a nível nacional aumentou cerca de 15%. Mas a tendência dos preços para abril será determinada pela intensificação da colheita nas regiões produtoras do Nordeste, uma vez que se registra o final da safra no Sul do país. 

Em abril, as cotações do tomate, por sua vez, começam a apresentar alta, pois o ápice da safra de verão já ocorreu e a oferta das áreas produtoras não deve se sustentar nos mesmos patamares. 

Frutas

Destaque para a maçã e o mamão que tiveram comportamentos opostos. Enquanto a primeira ficou mais barata em todas as centrais analisadas, a segunda teve elevação das cotações, chegando a quase triplicar de preço em Goiânia com alta de 144,85%. A queda nos valores comercializados da maçã segue os motivos das reduções nas hortaliças, uma maior oferta nas regiões produtoras – principalmente com a intensificação da variedade fuji – combinada com a demanda mais fraca. 

Para o mamão, apesar da diminuição pela procura do produto, a queda da colheita na maioria das regiões produtoras foi determinante para a alta. A expectativa é que em abril ocorra um aumento no volume do produto disponível no atacado, já que há expectativa de amadurecimento precoce de frutas no oeste baiano, devido ao calor. 

Fonte: Climatempo.

F. Silva

Recent Posts

Secretaria Municipal de Saúde comunica mais 4 óbitos por Coronavírus

A Secretaria Municipal de Saúde informa o 216°, 217°, 218º e o 219º óbitos decorrentes…

10 minutos ago

Boletim Informativo Coronavírus (COVID-19), nº 457, de 17 de maio de 2021

A Prefeitura de Barreiras, por meio da Secretaria de Saúde, informa a situação epidemiológica do…

54 minutos ago

Nota de Pesar pelo falecimento do senhor João Calmon de Oliveira

Foi com tristeza e pesar que recebemos a notícia do falecimento do senhor João Calmon…

1 hora ago

CDL de Barreiras pede o fim das medidas restritivas impostas ao comércio

A Prefeitura de Barreiras determinou o fechamento do comércio 'não essencial' por 10 dias por…

2 horas ago

Jacobina: Filha do músico Canindé morre aos 22 anos vítima da Covid-19

A jovem Clara Mascarenhas, de apenas 22 anos de idade, faleceu neste domingo (16), em…

5 horas ago

DEPUTADO TITO COMEMORA ASSINATURA DE ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA DE MUNICÍPIOS DA BAHIA NO PROGRAMA TITULA BRASIL

O programa Titula Brasil, que entrou em vigor no dia 10 de fevereiro, visa permitir…

7 horas ago